Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Brasão

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso



PEQUENOS PRODUTORES

Audiência pública busca promover agricultura familiar em Mato Grosso

Atividade demanda de recursos financeiros para organização da produção e comercialização



Plateia da audiência pública estava lotada (Foto: Ronaldo Mazza-ALMT)

Debater assistência técnica, organização da produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar foi a pauta da audiência pública realizada na Assembleia Legislativa na tarde de ontem (18), presidida pelo deputado estadual Valdir Barranco (PT) e com a presença de representação de várias instituições responsáveis por implementar a atividade.

Considerando o pouco investimento para a atividade nos programas governamentais e tendo em vista a necessidade de profissionalização da produção para fortalecer a venda, o deputado requerente da audiência pública, Valdir Barranco, explicou que “é de fundamental importância organizar a produção e construir instrumentos para fortalecer a comercialização dos produtos de agricultura familiar em Mato Grosso”.

O Estado conta com cerca de 130 mil famílias, cuja principal fonte de renda e de sustento é a agricultura familiar. Todavia, o mercado ainda não é suficientemente explorado: atualmente, cerca de 80% das vendas de pequenos produtores em Mato Grosso são provenientes de outros estados. Portanto, não basta plantar e colher, há demanda de investimentos em estrutura física e de escoamento, para se vender.

Esse processo de acompanhamento das etapas de produção dos pequenos produtores, com foco na profissionalização é chamado de ‘assistência técnica para agricultura familiar’ e a proposta de um novo modelo foi apresentada em palestra pelo engenheiro agrônomo Paulo Guilherme Cabral, consultor do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Ipam). O palestrante, defendendo ampliação em recursos para a assistência técnica, reforçou que o papel da agricultura é “acabar com a pobreza e a fome e contribuir para alcançar condições climáticas estáveis, para que a civilização prospere”.

O secretário-adjunto de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários de Mato Grosso, Córgésio Ribeiro Albuquerque, assegurou que há, do Executivo, interesse de “resgatar a sustentabilidade da agricultura familiar” e citou a aprovação recente do Fethab 2, que prevê aplicação de 7 a 10% na agricultura familiar.

O presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Layr Mota da Silva, lamentou o déficit de investimentos federais e estaduais nas gestões anteriores, mas que a preocupação da gestão, nos últimos dois anos, permitiu muito avanço: “nós conseguimos aumentar em 124% o número de projetos elaborados e liberados [os respectivos financiamentos] pelo Banco do Brasil”. Layr destaca que 70% do que é consumido localmente provém de agricultura familiar e vislumbra que “se nós investirmos na agricultura familiar, podemos ser o maior produtor do país, porque nós temos água, temos terra e temos pessoas com vontade de trabalhar!".

O produtor rural de Santo Antônio do Leverger e presidente da Associação do Morro Grande, Pedro Kaiser, estava bastante exaltado, denunciando o descaso com a categoria e brada: “A Empaer não faz mais nada! Porque não tem dinheiro”, solicitando ao governador Pedro Taques repasse de recursos financeiros para a empresa pública citada.

Ao fim dos debates, quando houve revezamento de membros da mesa de autoridades e interessados da plateia, o presidente da audiência pública, Valdir Barranco, listou os seguintes encaminhamentos: buscar uma “agricultura familiar inclusiva e sustentável”; promover a atividade com foco em combater o desmatamento e sem agrotóxico, “para garantir a segurança alimentar”; construir um diálogo com os representantes dos pequenos produtores e as empresas financiadoras; “apoiar e incentivar associações e cooperativas” de agricultores familiares; “criar oportunidades para financiar pequenos projetos”; abrir editais de financiamento; criar feiras livres e centrais de comercialização; “continuar na luta para a regularização fundiária; entre outras deliberações.

Participaram da audiência pública, além das instituições já mencionadas, representantes do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária de Mato Grosso (Incra/MT), da Central de Abastecimento de Mato Grosso (Ceasa), do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Ipam), da Secretaria Especial de Desenvolvimento Agrário e da Agricultura Familiar, da Superintendência Regional em Mato Grosso da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura em Mato Grosso (Fetagri/MT), da Secretaria Municipal de Agricultura de Cuiabá, da União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária de Mato Grosso, da Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz/MT) e de municípios do Interior.


Mais informações:
Secretaria de Comunicação
Redação: (65) 3313-6310 (65) 3313-6283
Rádio: (65) 3313-6682
TVAL: (65) 3313-6341 (65) 3313-6399


Fotos relacionadas