Brasão

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso


Terça-feira, 12 de abril de 2016 16h58


CONSERVAÇÃO

Deputado afirma que Geoparque de Chapada pode transformar realidade turística da região

Após quase quatro horas, as discussões foram ampliadas para outros temas relacionados ao município, como questões de segurança

SONIA FIORI / ASSESSORIA DE GABINETE



 (Foto: Karen Malagoli/ALMT)

A efetiva criação do Geoparque de Chapada dos Guimarães, seguindo premissas da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), deverá ser consolidada a partir do alinhamento de propostas que englobam participação de representantes do Poder Público, associações e entidades de classe dos setores envolvidos. Ações práticas para a criação do Geoparque, dentro dos limites do Parque Nacional foram debatidas em audiência pública requerida pelo deputado Wilson Santos (PSDB), nesta terça-feira, no auditório Milton Figueiredo, na Assembleia Legislativa. 

Após quase quatro horas, as discussões foram ampliadas para outros temas relacionados ao município, como questões de segurança, o Plano Diretor e potencial turístico. Propostas visando à definitiva implementação do Geoparque serão avaliadas por Grupo de Trabalho (GT), em fase de constituição, devendo formular diretrizes. A próxima audiência pública, para continuidade dos debates, deverá ser realizada no município, com data a ser definida nos próximos dias.       

Santos pontuou seu entendimento de que o Geoparque pode transformar a realidade turística e de preservação da região, promovendo fomento ao desenvolvimento socioeconômico.  A execução do projeto passa pelo desafio de garantia de investimentos. Mecanismo de gestão compartilhada foi sugerido pelo parlamentar. “O Parlamento estadual pode colaborar de alguma forma. O governo sempre esteve ausente. Há várias gestões não se debate esse tema. E acho que agora o governo dará atenção especial a Chapada dos Guimarães. Turismo de natureza, de aventura, que envolve mais as pessoas. É um desafio ao nosso amadurecimento encontrar um ponto equilibrado, socializando essas belezas ao mundo”, assinalou Santos.

Chefe do Serviço Geológico do Brasil em Mato Grosso, Waldemar Abreu explicou o funcionamento do Geoparque. “Parque geológico de Chapada dos Guimarães já foi proposto pelo serviço geológico, aqui em Chapada e em Araguainha. Foi feito levantamento de campo, que definiu por coordenada geográfica os sítios, tudo cartografado e mapeado. Treinar guias para acompanhar turistas na visita, placas com descrição sucinta, e em nível de conhecimento de todos. E o sentido é preservar o que está lá. Intenção é desenvolver no turista preservação”, disse.

Abreu aproveitou ainda para contextualizar a compatibilidade entre a exploração econômica e a responsabilidade ambiental. “É perfeitamente compatível a exploração econômica com a preservação ambiental.”, resumiu Waldemar, chefe do Serviço Nacional. É importante que a Unesco dê o aval, mas premissas da Unesco, para divulgação mundial”, concluiu.

Prefeito de Chapada dos Guimarães, Lisu Kobertain disse ser bem-vinda a ideia. Aproveitou a oportunidade para pedir apoio junto ao Poder Legislativo, através do deputado Wilson Santos, para resolução de problemas que persistem há anos, prejudicando avanços na exploração sustentável do turismo. Um dos exemplos é o Complexo da Salgadeira, com espaço de visitação impedido desde 2010, atendendo ação do Ministério Público.

Presidente da Metamat (Companhia Mato-grossense de Mineração), Elias Santos confirmou apoio da autarquia para execução de novos projetos. Presidente da Associação de Geólogos, Caiubi Kuhn expôs mapeamento do potencial do estado, destacando a importância da viabilização de novos projetos.

Representantes de várias associações, como de taxistas e de guias turísticos, expuseram preocupação sobre a necessidade de capacitação dos respectivos profissionais, que devem estar preparados para o esperado impulso sobre a exploração turística na região, além de outros pontos em potencial no estado.

A Mesa de Debates contou ainda com a participação do promotor de Justiça de Chapada dos Guimarães, Leandro Volochko; procurador da República, Mário Antônio Barbosa; superintendente de Estruturação do Turismo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, Reinaldo Guimarães; coordenador regional do Instituto Chico Mendes, Fernando Xavier; delegado-geral adjunto da Polícia Judiciária Civil, Rogério Modello; chefe do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, Cintia Maria Santos, e ainda o ex-prefeito de Chapada dos Guimarães, Flávio Daltro.  

Conceito

Geoparque é uma área com limites definidos, que inclui notável patrimônio geológico, aliado a estratégias de desenvolvimento sustentável. Serviço Geológico do Brasil, empresa pública federal vinculada ao Ministério das Minas e Energia, realizou o levantamento dos sítios geológicos no Brasil, englobando em Mato Grosso os municípios de Chapada dos Guimarães e Araguainha.

Em 2004, por meio de convênio, atendendo o Estado e representação de classe de geólogos, foi estabelecido o início do mapeamento de Geoparques em Mato Grosso. Já existem 56 no mundo, em 17 países.  

O Serviço Geológico em Mato Grosso mapeou 16 sítios geológicos nos limites do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães. A região recebe cerca de 180 mil turistas anualmente. Os geoparques devem ressaltar em sua essência a proteção e divulgação dos valores arqueológicos, ecológicos, históricos e culturais da região. Nesta terça-feira (12) é comemorado o aniversário de 27 anos do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães. 


Secretaria de Comunicação Social

Telefone: (65) 3313-6283

E-mail: imprensa1al@gmail.com